NOVOS DIAS

Essa é a mensagem que deixo no final deste ano de 2010. Uma mensagem inspiradora, simples e verdadeira do poeta Sérgio Vaz. O poema chamado "Novos Dias":

"Esse ano vai ser pior... Pior pra quem estiver no nosso caminho. Então que venham os dias. Um sorriso no rosto e os punhos cerrados que a luta não pára. Um brilho nos olhos que é para rastrear os inimigos (mesmo com medo, enfrente-os). É necessário o coração em chamas para manter os sonhos aquecidos. Acenda fogueiras. Não aceite nada de graça, nada. Até o beijo só é bom quando conquistado. Escreva poemas, mas se te insultarem, recite palavrões. Cuidado, o acaso é traiçoeiro e o tempo é cruel, tome as rédeas do teu próprio destino. Outra coisa: pior que a arrogância, é a falsa humildade. As pessoas boazinhas também são perigosas, sugam energia e não dão nada em troca. Fique esperto, amar o próximo não é abandonar a si mesmo. Para alcançar utopias é preciso enfrentar a realidade. Quer saber quem são os outros? Pergunte quem é você. Se não ama a tua causa, não alimente o ódio. Por favor, gentileza gera gentileza. Obrigado. Os erros são teus, assuma-os. Os acertos também são teus, divida-os. Ser forte não é apanhar todo dia, nem bater de vez em quando, é perdoar e pedir perdão, sempre. Tenho más notícias: quando o bicho pegar, você vai estar sozinho. Não cultive multidões. Qual a tua verdade? Qual a tua mentira? Teu travesseiro vai te dizer. Prepare-se. Se quiser realmente saber se está bonito ou bonita, pergunte aos teus inimigos, nesta hora eles serão honestos. Quando estiver fazendo planos, não esqueça de avisar aos teus pés, pois são eles que caminham. Se vai pular sete ondinhas, recomendo que mergulhe de cabeça. Muito amor, muito amor, mas raiva é fundamental. Quando não tiver palavras belas, improvise. Diga a verdade. As manhãs de sol são lindas, mas é preciso trabalhar bem também nos dias de chuva. Abra os braços. Segure na mão de quem está na frente e puxe a mão de quem estiver atrás. Não confunda briga com luta. Briga tem hora para acabar, a luta é para uma vida inteira. O ano que vem tem cara de gente boa, mas não acredite nele. Acredite em você. FELIZ TODO DIA!"

PROMOÇÃO MINHA CASA TEM JARDIM

Uma das principais redes de drogarias do país, a Drogaria São Paulo, está com a promoção "Minha casa tem jardim" que tem como slogan a frase: "Aproveite: cultive alegria perto devocê". Até o dia 31 de de dezembro, os clientes que efetuarem compras acima de R$20,00 em produtos de limpeza e beleza, por mais R$ 4,00, poderão escolher um item de jardinagem e dentre eles estão: regador; kit ferramentas de jardinagem Tramontina; e o kit vaso + terra + semente. A ação é uma extenção de um trabalho que a rede já desenvolve entre os funcionários para incentivar o contato com a terra e o aproveitamento da mesma. Em algumas filiais, onde há área com terra, espaços para vasos ou canteiros e que tenham colaboradores interessados na atividade, o cultivo de hortas é parte do dia-a-dia dos funcionários. Ferramentas, terra, adubo orgânico, mudas e sementes são investimentos da própria companhia que chega às mãos do funcionário. Os alimentos gerados nas lojas são consumidos pelos próprios funcionários ou levados para suas respectivas casas. O resultado desta ação é despertar o sentimento de cooperação entre a equipe, que se une para o plantio, além da disseminação de hábitos saudáveis entre os funcionários que levam esses valores aos amigos e familiares, em um efeito multiplicador.
No site da empresa tem a seguinte frase: "Horta caseira faz bem para o paladar, para a cabeça e para o planeta".
FONTES:
http://www.drogariasaopaulo.com.br/campanhas-sociais/campanha-hortas/
(consultado em 16 de dezembro de 2010, às 13h3o)
http://www.drogariasaopaulo.com.br/campanhas-sociais/minha-casa-tem-jardim/
(consultado em 16 de dezembro de 2010 às 13h30)

HORTA, COMPUTAÇÃO E ESCOLA

Poderia a tecnologia ajudar alunos de escolas rurais a se aproximarem da atividade realizada por seus pais? Uma reportagem publicada hoje (seg., 06/dez/10), no jornal Estado de São Paulo (p. A18), sugere uma resposta para esta pergunta. De acordo com a reportagem, duas professoras, que também são irmãs, Andrea e Edilene Rodrigues, criaram o projeto Campo Sustentável, no qual os alunos aprendem a usarem informações da internet para melhorar o aproveitamento da terra. O Centro Estadual Integrado de Educação Rural de Vila Pavão, no Espírito Santo conta com apenas 15 computadores, mas uma grande área para o plantio experimental. As professoras conseguiram unir as duas coisas mostrando aos adolescentes como buscar na internet dados como previsão do tempo, cotação da venda de cada produto e técnicas de enriquecimento do solo e plantio. As informações da semana são veiculadas num programa semanal de rádio (todas as sextas feiras) criado pelos próprios alunos. Tal programa é voltado para os agricultores da região que, em sua maioria, não tem acesso à internet. Além disto, o projeto capixaba fez com que parentes dos alunos voltassem a estudar. Muitos estão aprendendo como usar o computador, e são os próprios alunos que ensinam, sempre no período noturno. Segundo a professora Andrea, muitos agricultores que não viam utilidade no uso da tecnologia para eles, estão agora se juntando para comprar um computador. Outro bom resultado do projeto foi a aproximação entre pais e filhos e a valorização que estes últimos passaram a apresentar em relação ao trabalho dos pais.
Por fim, o projeto Campo Sustentável ganhou destaque internacional em um concurso de educação da Microsoft e chamou a atenção de Warren Sparrow, coordenador de comunicação de uma escola pública na Cidade do Cabo, África do Sul. Nesta escola sul africana alunos do quinto e sexto ano já participam de um projeto escolar de alimentação saudável e agora vão plantar seus próprios legumes e verduras, como na realidade da escola capixaba, onde o que os alunos plantam no campo experimental vai para a merenda.

Minhocário

Galera, tem uma postagem interessante sobre minhocas e minhocário no blog da Comunidade Espiritual Era Dourada - Ashram (http://www.eradaouradaashram.blogspot.com/). Quem quiser e tem interesse, vale a pena conferir!

JARDINAGEM E MEDITAÇÃO

"Dedicar-se a um jardim requer disciplina, cuidado, paciência, persistência e amor... com a mente também". É assim que começa uma coluna publicada no Prana Yoga Journal (Edição Jun/10, pg. 41), escrita por Goura Nataraj. De acordo com o colunista, ambas as práticas nos colocam em contato com diferentes estados de consciência, uma vez que propõem um desaceleramento da mente e exigem uma capacidade de foco e abstração. Assim como a jardinagem, a meditação pode ocorrer em qualquer lugar, mesmo nos centros urbanos, em uma casa ou um apartamento. Basta vontade. Desde a antiguidade o jardim é considerado um local de aprendizado e desenvolvimento do espírito. Implica em um reconhecimento prático da dependência da lógica humana à lógica do universo. O cultivo de um jardim aproxima o ser humano dos ritmos na natureza e das leis imutáveis dos cosmos. Nesta perspectiva, dedicar-se a um jardim pode significar uma mudança no padrão de nossos pensamentos e percepções, com o potencial de libertar a mente da ansiedade e do medo, principalmente para as criancas dos grandes centros urbanos, colocando-as em contato com as coisas mais simples e importantes da vida - os ciclos da lua, o calor do sol, o sabor dos alimentos, o vôo dos pássaros, a vida e a morte. O conceito de jardinagem libertária aborda uma forma de tentar romper o ciclo de alienação ao qual somos submetidos e propõe a retomada dos espaços públicos para a criação de territórios livres, de espaços de convivência, hortas comunitárias e reflorestamento do ecossistema da cidade através do plantio de árvores nativas. Podemos começar cultivando alguns vasos, abrindo canteiros, cantando mantras, espalhando sementes e observando a cidade com um olhar mais atento. Com criatividade e ousadia, os jardins e a meditação ficam ainda mais belos.
Para mais acesse: eee.jardinagemlibertaria.wordpress.com

QUANTO VENENO TEM NA NOSSA COMIDA?


Esse é o título também dado a uma reportagem no site da revista época sobre agrotóxicos mostra de uma forma bem didática quais alimentos possuem agrotóxicos não autorizados, quais apresentam agrotóxico acima do limite e quais apresentam os dois problemas. Basta acessar o link e clicar sobre os alimentos:

AGRICULTURA NA CIDADE NO VEGTV Brasil

Entrevista sobre o Blog "Agricultura na Cidade" no VEGTV. É possível assistir no próprio site do VEGTV (http://veg.tv.br/ - assim mesmo, sem o www.) ou acessando o link no youtube (http://www.youtube.com/watch?v=z1aIAx3WUq4).

PLANEJANDO A HORTA - ÁREA

Qual o tamanho da área? Qual o objetivo da produção? Qual o número de pessoas envolvidas? Qual a disponibilidade de tempo dessas pessoas? Quais os recursos existentes? Estes são exemplos de perguntas que devem ser feitas antes de começar a construir sua horta. Neste momento vamos enfatizar a área a ser utilizada. É muito importante fazer medições no local, descobrir se existem canos passando no chão ou na parede. Em ambientes urbanos, a escolha do local muitas vezes fica um pouco limitada, mas deve-se, na medida do possível dar preferência a locais com as seguintes características:
- proximidade de água de boa qualidade e em abundância;
- proximidade com a casa ou pessoas participantes da horta;
- área exposta ao sol o dia todo ou por pelo menos 4 horas diárias;
- distante de árvores para evitar o sombreamento e competição por nutrientes no solo;
- terrenos não sujeitos a alagamentos;
- evitar solos muito argilosos ou arenosos.

A figura acima mostra desenhos prévios feitos após a medição e estudo do local (antes da execução). E também mostra o trabalho final através da foto. Esta horta foi construída na Comunidade Espiritual Era Dourada – Ashram (http://eradouradaashram.blogspot.com).

Temperos Industrializados: Excesso de Sódio

Agricultura Urbana permite que nós, cidadãos urbanos, possamos aprender a produzir nosso próprio alimento. Isto nos liberta do papel de consumidores passivos e alienados da natureza, e nos permite ter maior controle sobre nossas vidas. Segundo reportagem publicada no site do jornal Estado de São Paulo, a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste) não recomenda o consumo de temperos industrializados em razão da alta concentração de sódio nestes produtos, tanto de temperos em pó, pasta ou tablete. Desta forma, ao consumir tempero industrializado aumentamos nossas chances de ultrapassar nosso limite diário de consumo de sódio, uma vez que provavelmente iremos ingerir outros produtos contendo este mineral ao longo do dia. Isto é um risco para a saúde, inclusive para os hipertensos e pessoas com problemas renais, por exemplo. Portanto, para substituir os temperos prontos e evitar excessos, podemos recorrer aos temperos naturais e aí voltamos à nossa produção urbana. Indo para a escala de produção caseira, a produção de ervas pode desta forma nos auxiliar a nos esquivar dos temperos industrializados além do que, as ervas são ótimas para dar aroma à comida. Quando nós, consumidores, nos sentimos atraídos por praticidade e preços baixos nas prateleiras dos supermercados, temos que estar conscientes do quanto isso realmente é benéfico ou estamos trocando a praticidade e o preço baixo por problemas que se somarão ao longo do tempo. Produzir alimento requer espaço e ao contrário do que muita gente imagina, na cidade há espaço por toda parte. Ou é horizontal ou é vertical. Basta querer. É preciso sairmos da zona de conforto e sermos mais ativos.

Confira abaixo tipos de especiarias que combinam com determinados tipos de alimentos:

MINHOCÁRIO ESCOLAR

Um dia de por a mão na terra. Na escola infantil Tick & Titos, na Vila Mariana, as crianças tiveram a oportunidade de montar um minhocário com a ajuda do Grabriel da Morada da Floresta. Com certeza uma oportunidade que poucas escolas oferecem a nossos futuros tomadores de decisões!

METROPOLITAN AGRICULTURE INNOVERSITY

A Metropolitan Agriculture Innoversity (MetroAg Innoversity - Inoversidade de Agricultura Metropolitana) é uma resposta inovadora de agricultura metropolitana para os problemas existentes no sistema de produção de alimentos, aproveitando as características vantajosas de ambientes metropolitanos para suprir diversas soluções. Com o propósito de satisfazer a demanda por comida de populações metropolitanas sustentáveis, ações eficazes e imediatas para mudarem o sistema de alimentação são necessárias. A MetroAg Innoversity é uma pragmática visão para uma lógica nova e sustentável na agricultura, uma lógica para restabelecer novas conexões entre áreas metropolitanas e agricultura. É uma plataforma para dar suporte à experimentos no campo da agricultura. Em seis cidades do mundo, inclusive em São Paulo, a Innoversity (Inoversidade) vai convocar grupos envolvidos no sistema de alimentação para tomar ações mais concretas rumo a uma agricultura sustentável nas cidades. Fomentando diálogos e ações, o Innoversity servirá como um fórum para avançar as inovações na aplicação da agricultura para ajudar a chamar a atenção para desafios encontrados pelas cidades ao redor do mundo. Portanto, a Innoversity é uma rede para trocas entre cidades participantes para a co-criação de conhecimento e experiências acumuladas em cidades ao redor do mundo. É um meio para entender as diversas formas nas quais a agricultura pode ter seu papel dentro das cidades. A agricultura metropolitana pode ser aplicada em diferentes espaços e escalas. Dentro da rede MetroAg Innoversity há um potencial considerável para integrar atividades de agricultura com diversos aspectos de desenvolvimento metropolitano, a partir da função óbvia de produção de alimento até recreação, cuidado com a saúde e sistemas de administração do lixo. O objetivo do MetroAg Innoversity é transcender as barreiras convencionais e envolve a lógica de existir sistemas de agricultura para servir melhor as necessidades das residências metropolitanas. É objetivo da Innoversity ser uma plataforma de orientação para compartilhamento de conhecimento e para envolver a visão e a prática da agricultura metropolitana ao redor do mundo.
Para saber mais acesse: www.metropolitanagriculture.com

O PÃO ESTÁ CONTAMINADO


Estamos no ano de 2010, ano de copa do mundo. Enquanto nos deliciamos na política do "pão e circo", o Brasil permanece defendendo o vergonhoso título de campeão mundial de uso de agrotóxico. Assim como na Roma antiga, hoje a população se distrai permanecendo passiva aos problemas que a cerca. Pior ainda é que agora o "pão" está contaminado. O Brasil tem sido o destino final do escoamento de agrotóxicos banidos em outros países. De acordo com reportagens publicadas no jornal "O Estado de São Paulo", em 30 de maio de 2010, nas lavouras do Brasil "são utilizados pelo menos dez produtos proscritos na União Européia, Estados unidos e um deles até no Paraguai". O motivo é simples. O governo deveria apressar a reavaliação destes produtos, como previsto na legislação. No entanto, a lentidão se deve ao fato de empresas de agrotóxicos e o sindicato das indústrias entraram com ações na justiça suspendendo tal procedimento. Em uma destas ações o próprio Ministério da Agricultura se posicionou contra a restrição. Só depois que as liminares foram suspensas, em 2009, é que as análises continuaram. Enquanto isso, de 14 produtos que deveriam ser submetidos à avaliação, só uma decisão foi tomada: a cihexatina, empregada nas culturas de citros, será banida a partir de 2011. Até lá seu uso será permitido no estado de São Paulo. Enquanto se protela as decisões, o uso de agrotóxicos sob suspeita de afetar a saúde aumenta. Ou seja, enquanto permanecem como produtos candidatos à revisão, nós consumimos o lixo que outras nações rejeitam. Da lista de 2008 três produtos aguardam a análise que deve ser feita em conjunto pelo IBAMA, Ministério da Agricultura e Anvisa. Representantes das indústrias criticam o formato de reavaliação. Dizem que não há critérios para escolha dos produtos incluídos na lista e criticam a Anvisa por falta de transparência. No entanto, seis, de sete indústrias de agrotóxicos vistoriadas pela Anvisa entre julho de 2009 e maio deste ano, tiveram a linha de produção interditada e o material apreendido por irregularidades. Os problemas vão do uso de matéria-prima vencida à alteração da fórmula registrada no país. Foram encontrados até produtos onde foram adicionas essências aromáticas, como tática para camuflar o cheiro do veneno e desta forma tornar o produto mais tolerável para o agricultor e para a população que vive no entorno das fábricas. As indústrias já analisadas têm cerca de 80% do mercado nacional. Das unidades inspecionadas só uma não teve a produção interditada. Mesmo assim, não se livrou da autuação por omissão de informações. Segundo o Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (Para), meio pelo qual a Anvisa acompanha os níveis de resíduos de agrotóxicos nos alimentos consumidos pela população há, além do abuso de defensivos, emprego de produtos proibidos para algumas culturas. A últma avaliação revelou, por exemplo, que 64% das amostras de pimentão analisadas apresentaram uso de defensivos proibidos para a cultura, dentre eles o endossultam e o acefato, que estão sendo agora reavaliados. Mas agora não temos tempo para isso. Afinal, em alguns dias nossa seleção entrará em campo no mundial da África do Sul defendendo a nossa pátria amada, não é mesmo?

Produtos que estão em processo de avaliação pela Anvisa
Tabela retirada do jornal "O Estado de São Paulo", página A24, 30 de maio de 2010.

Eu cultivo meus legumes de maneira semi-selvagem

Texto extraído do livro “A Revolução de uma Palha” de Masanobu Fukuoka.
“Eu cultivo os meus legumes de maneira semi-selvagem, utilizando um terreno vago, ribanceira ou terra inculta não vedada. A minha concepção é lançar, simplesmente as sementes à terra e deixar que os legumes crescam com as ervas daninhas. Faço crescer os meus legumes na encosta da montanha, nos espaços livres entre os citrinos.
O ponto importante é saber qual o momento certo para cultivar. Para os legumes primaveris, o momento certo é quando as ervas daninhas de Inverno começam a morrer e imediatemente antes da germinação das ervas daninhas da Primavera. No Outono, a sementeira deve fazer-se quando as ervas de Verão murcham e as ervas daninhas de Inverno não apereceram ainda.
O melhor é esperar por uma chuva que tenha hipótese de durar vários dias. Ceifa-se a cobertura de ervas daninhas e espalham-se as sementes dos legumes. Não é necessário recobri-las de terra; as ervas daninhas que tivermos cortado são simplesmente espalhadas sobre as sementes, para desenpenharem a função de cobertura e esconderem-nas dos pássaros e das galinhas até comecarem a germinar. Habitualmente, as ervas daninhas devem ser cortadas duas ou trêz vezes para se dar algum espaço aos rebentos de legumes, mas por vezes um único corte é suficiente.
Nos sitios onde as ervas daninhas e o trevo não são espessos demais, as sementes podem ser simplesmente lançadas à terra. As galinhas comerão algumas, mas muitas germinarão, Se semarmos em linha ou em rego, há possibilidades de os coleópteros e outros tipos de insectos devorarem um bom número de sementes, porque caminham em linha reta…
Os legumes que crescem desta maneira são mais fortes do que a maioria das pessoas pensa. Se nascerem antes da ervas daninhas, não serão de seguida cobertos por elas. Há alguns legumes, tais como os espinafres e as cenouras, que não germinam com facilidade. Demolhar as sementes durante um dia ou dias e então envolvê-las em bolinhas de barro deverá resolver o problema.
Se forem semeados de forma mais concentrada, o rabanete japonês, o nabo e outros legumes verdes e folhosos de Outono serão suficientemente fortes para competir vitoriosamente com as ervas daninhas de Inverno e do inicio da Primavera. Um certo número destes legumes não são colhidos e reproduzem-se sozinhos anos após anos. Têm um perfume único e constituem um alimento muito interessante.
(…) Inicialemente, os tomates e beringelas não são suficientemente resistentes para entrar em competição com as ervas daninhas, de modo que devem primeiro semear-se em canteiro para germinarem, e serem de seguida transplantados. Em vez de se porem em estacas, devem deixar-se os tomateiros espalharem-se sobre a terra. Os nós da haste principal acabam por ganhar raiz e originarem novos rebentos que darão frutos.
Quanto aos pepinos, a variedade rastejante é a melhor. Deve cuidar-se dos pés jovens cortando ocasionalmente as ervas daninhas, mas depois disso os pés tornar-se-ão resistentes. Disponha bambu ou ramos de árvores e os pepinos enrolar-se-ão neles. Os ramos sustêm os frutos mesmo acima do solo de talmodo que eles não apodrecem. Este método para fazer crescer os pepinos funciona também com os melões e as abóboras.
(…) O objetivo principal desta cultura de legumes semi-selvagens é cultivar o mais naturalmente possível numa terra que de outro modo seria deixada inculta. Se forem misturados diversos tipos de ervas e de legumes, e eles crescerem por entre a vegetação natural, os estragos causados pelos insetos e as doenças serão minímos e não será necessário fazer pulverizações nem apanhar os insectos à mão.
Podemos cultivar legumes em qualquer lugar onde o crescimento das ervas daninhas for variado e forte."
Texto publicado por Ricardo Semealuz
em Permacultura Social Brasileira

LAGARTAS

As LAGARTAS são larvas de borboletas ou mariposas. Elas possuem um aparelho bucal mastigador muito forte e por isso conseguem cortar folhas com muita rapidez. A presença de lagartas pode ser notada pelo surgimento de sua excreção caída sobre as folhas. Para o controle de lagartas na sua horta, seguem abaixo três receitas caseiras:
- CEBOLA ou CEBOLINHA VERDE (Allim cepa e Allium fistulosum): corte 1 kg de cebola e misture em água deixando o preparo curtir durante 10 dias. Se for usar cebolinha utilize a mesma quantidade, mas deixe curtir por 7 dias. Após este período, utilize 1 L da mistura para 3 L de água para pulverizar nas plantas.
- FARINHA DE TRIGO: misture 20g de farinha de trigo e 1 L de água e pulverize nas plantas em dia quente, seco e com sol.
- CALDA DE FUMO: misture 100g de fumo de rolo picado em 0,5 L de álcool e 0,5 L de água. Deixe curtir por 15 dias. Após esse período dissolva 100 g de sabão de coco em 10 L de água e junte coma mistura já curtida de fumo e álcool. Quando o ataque for intenso, pulverize nas plantas nesta concentração. Caso contrário, dilua até 20 L de água. No caso de hortaliças, respeite o prazo de 12 dias antes da colheita.
Mas LEMBREM-SE!!!! Uma lagartinha na sua horta não é infestação. Mas caso esteja ocorrendo de fato uma infestação, este é apenas um sintoma... a causa pode ser algum desequilíbrio no ambiente da sua plantação!!!!

IPEC - PDC 2010 - Parte 1

OLA! Desculpem todo o tempo sem postagens. Mas andei fazendo algumas viagens e dentre elas fui à Pirenópolis, em Goiás, onde fiz o curso de Permacultura, Design e Consultoria (PDC) no IPEC (Institudo de Permacultura e Ecovilas do Cerrado). Fiz um pequeno vídeo sobre o que foi o PDC com fotos minhas e de uma amiga que também esteve lá. A primeira parte do vídeo, com uma mensagem (em espanhol), foi retirado de um vídeo sobre a oidaterapia, um projeto de pscicologia perene. Espero que gostem.
Site do IPEC: http://www.ecocentro.org/
Site da Oidaterapia: http://www.oidaterapia.org/

AGRICULTURA METROPOLITANA - PARTE 1

A cidade de São Paulo foi umas das 6 cidades escolhidas para integrar o projeto Agricultura Metropolitana, iniciativa realizada há 5 anos na Holanda e que tem o objetivo de aproximar os meios rural e urbano.

AGRICULTURA METROPOLITANA - PARTE 2

WORKSHOP - CULTIVO EM PEQUENOS ESPAÇOS

A Leroy Merlin de interlagos, em São Paulo, promoverá um Workshop sobre o cultivo de hortas em pequenos espaços. O evento será gratuito. Serão abordadas formas de aproveitar bem o espaço, qual vaso escolher, quais hortaliças plantar, forma adequada de plantio, nutrição de plantas e métodos de controle de pragas.
Local: Leroy Merlin - Rua Domingas Galleteri Blotta, 315, Interlagos, São Paulo, SP
Data: 20 e 27 de março de 2010 (sábados)
Horário: 15h
Duração: 40 min
Inscrições e informações: (11) 5613-2551 ou (31) 3333-6000

WEB CIDADANIA

Web cidadania trata-se do movimento de discussão sobre a participação do cidadão na política, utilizando fotos, vídeos, mapas e textos. As diferentes articulações dentro deste movimento devem somar forças para ajudar a crescer este novo modo de ação cidadã. Há alguns sites que participam deste movimento:
- urbanias.com.br - site de reclamações de moradores de São Paulo;
- esfera.mobi - criar cultura de transparência pública pelas tecnologias de comunicação;
- cidadedemocratica.org - articulação e aproximação de pessoas em função de causas públicas;
- sacsp.mamulti.com - sistema que reúne estatísticas das reclamações feitas pelos cidadãos de São Paulo;
- votenaweb.com.br - transcreve as leis que estão no congresso com o objetivo de esclarece-las para que entendam como elas interferem em suas vidas;
- votoconsciente.ning.com
Várias ações e propostas estão sendo indicadas, além de referências, através da web, sendo um espaço... E isto! Que a internet seja mais uma ferramenta para a articulação de idéias e ações através do espaço virtual capaz de reflitir nos nossos espaços reais.

FAZENDAS AO REDOR DE CENTROS URBANOS

A produção de alimentos dentro e ao redor das cidades vem crescendo como uma alternativa viável para a crescente demanda de alimentos nas zonas urbanas. Em diferentes partes do mundo, programas promovem o cultivo caseiro de alimentos para gerar mais autonomia ou aliviar a falta de recursos. Cuba se caracterizou por promover este tipo de agricultura, mas agora dá um passo adiante com um novo plano de cinco anos. O plano prevê a doação de terras para que cidadãos cubanos produzam, individualmente, frutas e hortaliças, e criem gado em “anéis” de 6,4 quilômetros de diâmetro instalados ao redor de 150 cidades do país (com exceção da capital, Havana). As fazendas serão dirigidas por particulares e devem realizar apenas em cultivos orgânicos. Um ensaio piloto do programa já está em andamento na cidade de Camaguey (FOTO), onde cerca de 1.400 pequenas fazendas deverão cobrir 52 mil hectares, a alguns minutos da cidade. Espera-se que o programa atenda a 75% das necessidades da população. Segundo o jornal inglês The Guardian, o governo cubano espera que a iniciativa garanta comida mais barata e abundante e ao mesmo tempo reduza os custos de transporte. O jornal destaca que o plano foi inspirado nas centenas de jardins urbanos (áreas de cultivo em cidades) que Raul Castro implementou durante a depressão econômica da década de 1990, quando a queda do comunismo na Europa teve um impacto negativo sobre Cuba. Além de suas implicações políticas e econômicas, o projeto também é interessante sob o aspecto ambiental. Quando se discute cada vez mais a produção remota de alimentos, pouco sustentável devido aos enormes custos finaceiros e ambientais que acarreta, entregar terras a indivíduos com o objetivo de promover a produção local e orgânica em zonas próximas às cidades parece um passo na direção certa.
Texto publicado na Rede de PARMACULTURA SOCIAL BRASILEIRA, por Ricardo Semeador.
Para mais informações:

DIÁRIO DE UM AGRICULTOR URBANO

"Diário de um agricultor urbano" é uma curta demonstração de como pode ser feito o plantio de hortaliças, temperos e ervas medicinais dentro de casa, mesmo em uma grande metrópole como São Paulo. Planejamento, perseverança, diálogo e atitude são fundamentais para esta prática que vai muito além de colher alguns tomatinhos. Trata-se de uma nova forma de dar atenção àquilo que consumimos, principalmente em nossos pratos. É a re-conexão da cidade com sua origem: a agricultura. É respeito, responsabilidade e amor.
Acesse o vídeo pelo link:
ENTENDEU??

FLORES COMESTÍVEIS

A flor é o órgão de reprodução sexuada das plantas superiores, e após sua fertilização transformam-se em frutos, dos quais nos alimentamos. Existem flores solitárias, como a abóbora e a rosa, e agrupadas, formando inflorescência como a margarida e a hortência. A inflorescência é protegida por folhas especiais, chamadas brácteas. Há muitos tipos de inflorescências, no caso das margaridas são chamadas de capítulo e o que chamamos de pétalas, são na verdade as lígulas. As flores atraem insetos e pássaros, que nos ajuda a aumentar a diversidade da vida em nosso jardim, trazem amor e alegria aos nossos olhos e corações. Muitas flores são comestíveis, porém poucas são conhecidas e usadas em nossa alimentação. A couve-flor, o brócolis e a alcachofra são as mais comumente utilizadas. É importante ter estas noções básicas pois quando se fala de flores comestíveis, nem sempre é a flor inteira. O néctar é uma secreção adocicada das flores que atraí os insetos e pássaros polinizadores, fazendo com que as flores sejam agradáveis ao paladar. Já os óleos essenciais dão aroma distinto e muitas vezes têm propriedades medicinais. As flores comestíveis não apresentam contra-indicação e podem ser utilizadas como alimento em saladas, sopas, refogados e assados, em sobremesas como bolos, cremes e pudins, e também em sucos e vitaminas. Existem as flores que são venenosas ou tóxicas, contendo substâncias nocivas ao homem. Por isso, só devemos usar flores que conhecemos. É essencial identificarmos as plantas pelos nomes científicos pois os nomes populares variam muito e podem gerar confusões. É recomendável escolher as flores que estão bonitas e utilizar somente flores orgânicas, além de nunca comer flores de florista, viveiros ou de beira-de-estrada. Outro ponto importante de lembrarmos ao consumirmos flores como alimento, é que a flor sendo o órgão reprodutivo, ao ser retirada, inviabiliza a produção de sementes e assim a proliferação da espécie. Portanto, o ideal é cultivarmos estas plantas para consumirmos suas flores. As flores devem ser colhidas de manhã, com o sol ainda fraco, lavadas e depois secas rapidamente com muito cuidado. Podem ser guardadas frescas na geladeira (por algumas horas) ou secas a sombra para posterior uso.
Algumas flores comestíveis:
- Abóbora (Curcubita máxima) ou Abobrinha (Cucurbita sp) - flor doce, servir empanada (ovo batido e farinha). Também podem ser utilizadas em saladas, sopas, omeletes e refogados;
- Girassol (Helianthus annus) - Use as pétalas e sementes em saladas. Tem muitas vitaminas;
- Lavanda (Lavandula officinalis) - As pétalas dão sabor especial às geléias;
- Manjericão (Ocimum basilicum) - uma flor salgada que pode ser misturada em massas;
- Sálvia (Salvia sp) - Uma flor salgada que combina com pães e massas;
- Hibisco (Hibiscus rosa-sinensis) - As pétalas, que tem um leve gosto cítrico são usadas em quantidades pequenas, para decorar pratos culinários e em salada;
- Feijão (Phaseolus vulgaris) - Apresenta flores de muitas cores dependendo da variedade e lembram o gosto de próprio feijão. As flores podem ser colocadas em sopas e refogados.
Fonte:
1. Soluções Sustentáveis - Permacultura Urbana / Lucia Legan. Pirenópolis, GO. Mais Calango Editora, IPEC, 2008.
2. Jardins Comestíveis / IPEMA, 2004 - www.ybytucatu.com.br/permacultura

SÃO PAULO, 456 ANOS

Hoje, 25 de janeiro de 2010 a cidade de São Paulo comemora mais um aniversário. Em mais um dia chuvoso de uma época que castiga a cidade com inúmeras enchentes, diversos seriam os presentes que a cidade poderia receber. Aqui, cabe a nós falarmos sobre Agricultura Urbana. Agricultura é a arte do cultivo da terra ou o conjunto de operações que transformam o solo natural para a produção de vegetais úteis ao homem. A Agricultura Urbana se refere a pequenas áreas dentro das cidades, como lotes desocupados, jardins, canteiros e recipientes destinadas a atividades agrícolas com o objetivo de auto-consumo ou venda em mercados na vizinhança. Segundo o site "viverbemnacidade.org.br" um sétimo da produção mundial de alimentos é cultivado em terrenos baldios, telhados, coberturas, antigos lixões e em outros espaços urbanos. Em todo o mundo há mais de 800 milhões de agricultores urbanos. A agricultura urbana ajuda centenas de milhões de famílias a superarem a pobreza extrema e está melhorando a saúde e nutrição de habitantes das cidades através do mundo, de acordo com um relatório publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD - UNDP). "A agricultura urbana é uma atividade econômica competitiva e é a atividade escolhida por milhões de microempreendedores urbanos," revela o relatório. "Ela também oferece oportunidades de geração de renda para pessoas com baixa escolaridade e pouco capital, bem como para pessoas com dificuldades para se deslocarem para longe de casa, incluindo as mulheres, as crianças e os idosos". Os benefícios ambientais são igualmente significativos, transformando o lixo de um problema a um recurso, reduzindo o custo público do manejo do lixo e provendo um meio ambiente mais saudável. Por último, acredito muito na Agricultura Urbana como ferramenta de educação e desenvolvimento da solidariedade. Que o cultivo de alimentos dentro da própria cidade possa trazer também respeito e solidariedade. Estes, nas áreas rurais são muito comuns com visitantes e entre vizinhos. Por outro lado, quem mora na cidade tem o dom da hospitalidade e da prática da boa vizinhança prejudicado pelo contato excessivo com tantos rostos estranhos. Portanto, dentro as diversas áreas que precisam ser melhoradas na cidade de São Paulo, que em seu mais novo ano de vida a agricultura dentro da cidade possa contribuir cada vez mais para a construção de uma cidade mais solidária e agradável de se viver. Parabéns São Paulo, por seus 456 anos.