Transformação Agroecológica Colaborativa


Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida surgiu em abril de 2011 após muitos representantes de movimentos sociais, ambientais, estudantis e pesquisadores na área da nutrição e saúde manifestarem sua preocupação e indignação com o fato de o Brasil ter se tornado o campeão mundial absoluto no uso de agrotóxicos. De acordo com Suzana Prizendt, uma das pessoas mais envolvidas na campanha, "sabemos que é possível e necessário transformar profundamene esse cenário", sendo que a campanha já vem atuando para isto. Para fortalecer as ações da campanha, foi criado um projeto chamado "Transformação Agroecológica Colaborativa", de financiamento colaborativo através do site catarse.  Para acessá-lo e ver as possibilidades de colaboração, CLIQUE AQUI
Dentre as ações previstas no projeto estão:
- Seminários para colaboradores ( eles irão multiplicar nosso trabalho!);
- Sessões de cine-debate com o filme O Veneno Está na Mesa, palestras e
cursos em comunidades, escolas e ONGS; panfletos informativos;
- Criação, impressão e distribuição gratuita de cartilhas, cartazes e panfletos
- Produção de um vídeo de curta metragem para sensibilizar o público;
- Realização de ações junto ao poder público e propostas legislativas;
- Apoio a criação e manutenção de hortas orgânicas comunitárias;
- Manutenção de um canal de comunicação constante com a sociedade, fornecendo orientação e convidando para ações.

Melhorando o ar da cidade

Dicas de plantas que ajudam a melhorar a qualidade do ar urbano:

Reconhecimento à pioneira da Agroecologia no Brasil

No dia 22/07/2012, o jornal O Estado de São Paulo dedicou uma página do caderno "Vida" à reportagens sobre a Prfa. Dra. Ana Primavesi, pioneira da agroecologia no Brasil. Para facilitar, coloco abaixo uma das reportagens e, em seguida, o link para as outras.

PIONEIRA DA AGROECOLOGIA RECEBERÁ PRÊMIO MUNDIAL

TÂNIA RABELLO - Agência Estado

A modéstia permeia as declarações da engenheira agrônoma Ana Primavesi quando ela se refere ao One World Award - o principal prêmio da agricultura orgânica mundial, conferido pela International Federation of Organic Agriculture Movements (Ifoam). Neste ano, foi ela a escolhida para receber a homenagem, na Alemanha.
"Eles distribuem o prêmio entre os vários continentes. Agora, foi a vez da América do Sul", comenta uma das precursoras do movimento orgânico no Brasil. "Estão me premiando por toda parte... Não sei para que isso", acrescenta, quase encabulada.
E ouve, em seguida, que a homenagem que receberá no dia 14 de setembro, com a participação de mais de mil pessoas, entre elas a vencedora do prêmio Nobel Alternativo da Paz, a indiana Vandana Shiva, é mais do que merecida, pelo trabalho que vem fazendo, há 65 anos, pela agricultura ecológica, auxiliando lavradores a tornarem suas terras produtivas e limpas, em harmonia com o ambiente, eliminando o uso de agrotóxicos e adubos químicos.
"Pois é... Pelo jeito...", sorri Ana Primavesi, que arremata: "Dizem que eu inventei a agricultura orgânica. Conscientemente, não. A gente sempre trabalhou dessa forma".
Impactos positivos
Instituído em 2008, o One World Award é conferido a cada dois anos a ativistas da agricultura orgânica no mundo. São pessoas cujo trabalho impacte positivamente a vida dos produtores rurais.
Em 2008, quem ganhou o prêmio foi o veterinário e professor alemão Engelhard Boehncke, por suas práticas e estudos em relação à criação orgânica de animais. Há dois anos, foi a vez do indiano pioneiro em agricultura orgânica Bhaskar Salvar, que, logo no início da década de 1950, contrapôs-se à
Revolução Verde - que inaugurou o uso de adubos sintéticos e agrotóxicos nas lavouras -, ensinando agroecologia aos produtores, com o uso de fertilizantes orgânicos, a manutenção da vida no solo e o fortalecimento das plantas por meio de um ambiente equilibrado.
Neste ano, Ana Primavesi será a agraciada. Aos 92 anos, austríaca naturalizada brasileira, formada pela Universidade Rural de Viena, é Ph.D. em Ciências Agronômicas e especializada em vida dos solos. Publicou vários artigos científicos e livros sobre o assunto, mas um deles, Manejo Ecológico do Solo (Editora Nobel, 552 páginas, reeditado mais de 20 vezes), é uma das bíblias da produção orgânica e leitura obrigatória nas faculdades de Agronomia do País.
A obra é citada no livro Plantas Doentes pelo Uso de Agrotóxicos, de Francis Chaboussou, no qual prova que pragas e doenças não atacam plantas cujos sistemas estejam equilibrados. E que são os adubos químicos e os agrotóxicos que atraem os parasitas, gerando um ciclo de dependência, com nefastas consequências para o planeta.
Preservação
Desde 1947, quando iniciou sua vida profissional, e por meio de aulas na Universidade Federal de Santa Maria (RS), Ana Primavesi vem batendo na tecla da preservação da vida no solo. Em aulas, palestras, conferências, debates, assistências técnicas diretas aos produtores rurais e a suas associações, a engenheira agrônoma repete frases que se tornaram mantras.
E quem as coloca em prática vê os resultados na produção, na preservação e na saúde de quem planta e de quem consome os alimentos agroecológicos: "O segredo da vida é o solo, porque do solo dependem as plantas, a água, o clima e nossa vida. Tudo está interligado. Não existe ser humano sadio se o solo não for sadio e as plantas, nutridas."
Observação
Tanto que a primeira coisa que ensina aos agricultores que a procuram é olhar para a terra. "Se o solo tem uma boa estrutura, o agricultor tem grande chance de modificá-lo e convertê-lo para a agricultura orgânica", diz. "Terra com boa estrutura forma grumos, que nada mais são que o entrelaçamento de microrganismos que conferem vida ao solo e saúde às plantas, além de permitirem a infiltração da água. Em solos compactados e sem vida, água vira enxurrada e provoca erosão."
Ana Primavesi lembra que uma planta precisa de no mínimo 45 nutrientes para se desenvolver e produzir de forma saudável. "A agricultura convencional dá, no máximo, 15 desses nutrientes para as plantas. E nem sempre esses 15 nutrientes são integralmente ministrados às lavouras convencionais", diz.
O resultado são plantas deficientes nutricionalmente e frágeis aos ataques de pragas e doenças, dependentes, portanto, do uso de agrotóxicos.
É justamente a maneira de devolver esses nutrientes ao solo que Ana Primavesi ensina aos agricultores. Ela lembra de agricultores na cidade de Diamantina, em Minas Gerais, que há cerca de 15 anos a procuraram porque já não conseguiam produzir com o pacote convencional.
"Eles estavam a desanimados, quase falindo, porque a cada ano a terra respondia menos às adubações", conta. "Começamos a melhorar o solo e a qualidade dos nutrientes, passando a aplicar adubações orgânicas", continua. "Demorou uns quatro a cinco anos, mas agora eles produzem com fartura. Há uns anos voltei lá e vi como estavam felizes com a produção orgânica", conta Ana, ressaltando que a recompensa sempre vem. "O problema é que ela não é rápida, e muitos desistem." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Outras reportagens:

22 de Julho de 2012 - SAVE THE DATE!

Será realizado no dia 22 de julho de 2012 o 8o PIC NIC DE TROCA DE SEMENTES E MUDAS. O evento será no Parque da Luz, o mais antigo jardim público da cidade, das 10h às 14h. Será uma ótima oportunidade para trocar saberes, receitas, muitas mudas e sementes!! Leve seus amigos, família e comidinhas naturais, chás, sucos e apetrechos para comer e beber feitas com carinho e muita alegria no coração!!
Dicas - levem também:
- canecas e utensílios de picnic reutilizáveis;
- agasalho;
- repelente natural;
- banquinhos portáteis;
- podem ir de bicicleta ou metrô (ao lado da estação da Luz e Tiradentes)
- alegria e carinho com a natureza e todos participantes;
- cuidado com nosso próprio resíduo;
- cadernetas para anotar as informações e aprendizados trocados
Aproveitem também para conhecer nosso blog http://picnicsementesemudas.wordpress.com/
No mesmo dia e no mesmo local, ocorrerá o ENCONTRO PAULISTANO DE PERMACULTURA, que ocorrerá das 9h às 17h. Neste evento, os praticantes e curiosos da Permacultura na grande São Paulo se encontrarão com o objetivo de integração dos interessados na disciplina e articulação de ações em diversas regiões da grande São Paulo, através de subgrupos que serão criados neste dia.
Portanto, SAVE THE DATE!!! Anote na sua agenda, deixe um bilhete na geladeira e não perca esta ótima oportunidade para trocar, sementes, mudas, experiências, conhecimento, idéias, sorrisos e abraços.